quarta-feira, 22 de abril de 2009

“Descobrimento" do Brasil - Acidente ou Intenção?

O DESCOBRIMENTO
Portugueses e espanhóis realizaram importantes descobertas; porém, foram os portugueses os grandes pioneiros das navegações marítimas.
Ceuta (ao norte da África e dominada pelos árabes) era um importante centro comercial, Portugal então, organizou uma expedição e conquistou a cidade em 1415.
Com a conquista de Ceuta, Portugal inaugurou a era do expansionismo ultramarino.
Várias viagens (tanto de exploração como de estabelecimento de domínios) enriqueceram o reino português e motivaram o desejo de conquistar um caminho para o Oriente, principalmente para as Índias.
Um fator importante que ajudou no descobrimento do caminho para as Índias, foi a viagem de Bartolomeu Dias ao litoral africano em 1488. Quando esse navegador alcançou e contornou o ponto extremo do sul da África, enfrentou uma violenta tempestade, a qual chamou de Cabo das Tormentas, mas o rei de Portugal mudou o nome para Cabo da Boa Esperança.
Os reis da Espanha, Fernando e Isabel, também estavam interessados em descobrir um caminho para as Índias e como não tinham navegadores com experiência em longas viagens, contrataram um italiano, Cristóvão Colombo.
Com 3 pequenos navios (Santa Maria, Pinta e Nina), Cristóvão Colombo (pensando ter chegado às Índias) acabou descobrindo a América no dia 12 de outubro de 1492.
A notícia de que os espanhóis tinham descoberto uma nova terra despertou nos portugueses um interesse ainda maior pelas viagens marítimas.
Eles queriam encontrar um novo caminho para as Índias, e para tal, organizaram uma expedição de 4 navios.
Seu comando foi entregue a Vasco da Gama, um dos maiores navegadores da época.
Como o caminho até o Cabo da Boa Esperança já era conhecido, não foi difícil para ele chegar ate lá; porém, daquele ponto para frente, tudo era novo.
Quando chegou às Índias comprou mercadorias na cidade de Calicute, e conseguiu enormes lucros com os produtos trazidos.
Sua viagem é considerada uma das mais importantes do período dos grandes descobrimentos marítimos, pois abriu o caminho do Ocidente para as Índias.
Animado com os resultados, o rei de Portugal (Dom Manuel), organizou outra grande expedição às Índias e entregou seu comando a Pedro Álvares Cabral.
A esquadra de Cabral era composta de 13 navios e saiu de Portugal no dia 9 de março de 1500, mas na altura da Guiné, seguindo as ordens recebidas, desvia-se da rota, com o propósito aparente de procurar melhores condições de vento em vez de viajar perto da costa africana.
No dia 22 de abril, avistou um monte, que denominou monte Pascoal, e em seguida ancorou numa baía (baia Cabrália). Foi aí que os portugueses tiveram o seu primeiro contato com os índios, com o nosso solo e nossa vegetação.
O escrivão da esquadra, Pero Vaz de Caminha, narrou todos esses fatos na famosa carta que escreveu ao rei Dom Manuel.
Cabral, então enviou para Portugal a famosa carta, além de aves e outros objetos da terra descoberta e no dia 2 de maio, ele e sua esquadra seguiram para as Índias.
Ao terminar sua missão no Oriente, Cabral voltou a Portugal.
Na viagem foram perdidos diversos navios e muitos homens, devido às tempestades e doenças.
Na verdade, Pedro Álvares Cabral não foi o primeiro europeu a chegar ao litoral brasileiro. Um pouco antes dele, um navegador espanhol chamado Vicente Pinzón percorreu a região da foz do rio Amazonas, que ele chamou de mar Dulce (mar Doce).

“DESCOBRIMENTO” DO BRASIL: FATO ACIDENTAL OU INTENCIONAL?

Atualmente, questiona-se o caso da descoberta do Brasil. Talvez “descoberta” não seja exatamente o termo mais apropriado para esse fato, e sim, conquista do Brasil. No entanto, o que se coloca em dúvida é a rota de Cabral: será que o desvio da direção que ele, juntamente com sua esquadra, foi mesmo motivado pelas correntes de vento ou já existia uma intenção para essa mudança de rumo? Tudo indica que os portugueses já sabiam da existência de nossas terras, antes de Cabral passar por aqui. Muito provavelmente, o Brasil não foi descoberto em 22 de abril de 1500, e sim, tomado posse. Vejamos alguns indícios.

* Vasco da Gama, após a sua gloriosa ida às Índias, voltou para Portugal em julho de 1499. Melhor do que as especiarias que ele trouxe na mala foi o fato de que ficou comprovado na prática que, assim como na Índia, novas terras poderiam ser alcançadas pelo mar. Ou seja, o planeta terra poderia transformar-se em um imenso comércio (será que já havia indícios de globalização nesta época!?). E Portugal era um dos poucos países europeus com saída para o Atlântico. Antes mesmo de seu retorno, diz a história que Vasco da Gama já havia registrado em seu diário de bordo, algo em torno de 1947, que existiam terras americanas, comunicando o rei de Portugal, D. Manuel, assim que retornou à Portugal.

* Cristóvão Colombo, ao descobrir a América em 1492, sugeriu em seus manuscritos, a existência de outras terras ao sul da República Dominicana.

* Alguns anos antes de Cabral aportar por aqui, mais precisamente em 1494, Portugal e Espanha assinaram o Tratado de Tordesilhas. Naquela época os navegadores espanhóis e portugueses eram considerados os melhores do mundo e a briga entre eles pela posse das novas terras estava se acirrando. Através do Tratado foi traçada uma linha imaginária que passava a 370 léguas a oeste das ilhas de Cabo Verde (colônia de Portugal), dividindo o mundo em duas partes iguais. As terras descobertas do lado esquerdo (oeste) seriam da Espanha, enquanto que as terras descobertas do lado direito (leste) seriam de Portugal. E o Brasil, bem o Brasil (e o seu imenso litoral) ficava coincidentemente no lado dos portugueses. Sendo assim, as terras já estavam no mapa e pertenciam à Portugal. Bastava então estudar as correntezas, as rotas e as condições climáticas, para que fosse possível encontrar as tais terras e ... tomar posse, garantindo o domínio de Portugal.

* Tudo indica que o primeiro português a pisar em solo brasileiro, não foi Cabral, e sim Duarte Coelho, pessoa de extrema confiança do rei D. Manuel e considerado um gênio em navegação e astronomia, naquela época. Coelho descobriu o Brasil no final de 1498, a mando do rei. O grande problema foi que Duarte Coelho acabou desembarcando entre o Maranhão e o Pará, em terras pertencentes à Espanha, de acordo com o Tratado de Tordesilhas firmado em 1494. Dessa maneira, quando retornou à Portugal, o rei pediu que a missão ficasse em sigilo e que, enquanto isso, fosse preparada uma nova missão que deveria alcançar o Brasil em outro ponto, em terra pertencente à Portugal. Naquela época havia uma cláusula no Tratado de Tordesilhas que obrigava Portugal e Espanha a comunicarem ao outro a descoberta de terras alheias. D. Manuel preferiu ficar quieto e não dar munição ao seu concorrente.

* A carta escrita por Pero Vaz de Caminha é uma verdadeira certidão de nascimento do Brasil. Nenhum outro país foi descrito com tantos detalhes no momento de seu descobrimento. Mas, não se divulga o porquê, Caminha escreveu sobre cada detalhe do Brasil, muito provavelmente para dizer “sim, nós estivemos aqui e o Brasil é nosso”.

* Outro mistério ronda essa mesma carta. Caminha descreve a vista do Monte Pascoal, como sendo um monte com “serras mais baixas ao sul”. Essa visão só seria possível se os portugueses estivessem navegando do Sul para o Oeste, como se estivessem subindo o litoral brasileiro. Ao contrário, se eles tivessem realmente descoberto o Brasil por acaso, a visão do Pascoal seria completamente diferente, já que eles estariam navegando em direção Norte – Oeste.
* Não é possível comprovar, porém, relatos de historiadores narram a existência de “pirataria” em solo brasileiro antes mesmo da chegada dos portugueses. De acordo com os relatos, alguns deles publicados no livro, Náufragos, Traficantes e Degredados, de Eduardo Bueno, os espanhóis, franceses e ingleses já haviam estado por aqui e a pirataria era uma prática bastante comum entre eles.

* E, bem, se não bastasse tudo isso, vale lembrar que já tinha gente por aqui, antes mesmo de portugueses, espanhóis, franceses ou ainda ingleses. E além de gente, essa terra também já tinha um nome: Pindorama. Os índios, quase 2 milhões apenas no Brasil naquela época (de acordo com estudos realizados pelo antropólogo Darcy Ribeiro), pertenciam às tribos tupi-guaranis (Litoral ), macro-jê ou tapuias (Planalto Central ), aruaques e caraíbas ( Amazônia ) e gentilmente chamaram as terras brasileiras de Pindorama, em referência às palmeiras existentes por aqui.

Diante destas possibilidades, podemos nos certificar, portanto, que o Brasil é um território conquistado por portugueses na época das grandes navegações, no entanto, dizer que o Brasil foi descoberto por eles não parece ser uma expressão viável. É no mínimo, duvidoso.

Fontes de pesquisa: http://pessoas.hsw.uol.com.br/descobrimento-do-brasil1.htm
http://www.infoescola.com/historia/descobrimento-do-brasil/

8 comentários:

Jéssica disse...

Conteúdo muito legal, parabéns... saudades de ter aulas com vc

Alcimeire disse...

Muuuuuuiiitoooooooo bom! Adorei!
Sempre odiei História, porém com uma explicação dessas.... nossa! sem comentários, agora estou até me interessando mais e buscando outras fontes de conhecimento!
Agora mais do que nunca acredito que, quando alunos do ensino básico, só não gostamos daquilo que não entendemos ou aprendemos!
Muito obrigada!!!!!!

Professor Josimar disse...

Olá Alcimeire. Sempre quando nos identificamos ou entendemos com maior facilidade, certamente nosso interesse aumenta. Só quero deixar bem claro que esse texto não é de minha autoria, é só uma pesquisa e montagem de textos. As fontes pesquisadas estão referenciadas caso você queira saber mais. Abraço e obrigado pela visita.

williany disse...

Adorei!Parabens... aho que vc gostava muito de história pelo visto!

Anônimo disse...

SITE MUITO BOM! PARABÉNS A QUEM O FEZ!

Anônimo disse...

Vlw professor, eu odeio historia mas eu tirei 10 na pesquisa graças a tu VLW, ISO N MUDA O FATO DE EU ODIAR HISTORIA

Remexendo o Passado disse...

Odiar a matéria de história na escola é muito comum entre os alunos, muitas vezes porque o contexto está distante da realidade vivida por ele, mas quando se faz a aproximação do fato estudado com o cotidiano, resulta o aprendizado e o gosto em querer saber mais. Você faz parte da história e ela faz parte da sua vida. É uma relação indissolúvel.

António disse...

Não se poderá descobrir o que não existe nem tão pouco achar nem roubar.A minha opinião sincera é que o Brasil foi sendo construido com a chegada dos colonizadores.Pêro Vaz Caminha no seu relato ao Rei nunca faz referência"descobrimos o Brasil ou achamos o Brasil!"